Paulo Jorge e Rose Athayde

As temíveis manchas apareceram naquela tela que você tanto gosta – péssima notícia! O que fazer então? Como prevenir o aparecimento do mofo?

Certa vez minha esposa, a artista plástica Rose Athayde, ao visitar sua médica notou que um quadro da decoração apresentava manchas esbranquiçadas. Essa obra era de sua autoria e ao ser adquirida estava em perfeito estado. Perguntou o que aconteceu com o quadro e obteve como resposta:

Foi ficando assim. Você pode restaurar para mim?

Com olhar mais clínico, notou que a saída do ar condicionado incidia diretamente sobre o quadro e que a sala permanecia fechada quando o consultório não estava em uso. Como agravante, a iluminação solar incidia diretamente sobre a parede lateral, deixando o cômodo muito quente sem a ação do ar refrigerado. Havia condições perfeitas para o surgimento do mofo: local escuro, quente e úmido.

O que é o mofo?

mofo em fruta

Mofo ou bolor, como é chamado vulgarmente, é formado por conjunto de fungos filamentosos, do reino “Fungi“, composto por organismos “eucariontes“, o mesmo que inclui as leveduras e os cogumelos que tanto apreciamos na culinária. Os fungos são muito úteis na decomposição da matéria orgânica, sendo observados com mais facilidade em frutas e pães em decomposição. Quando aparecem nas telas, são indesejáveis e motivo de pesadelo para os artistas plásticos.

Telas com fungos

A matéria orgânica presente no tecido e o óleo das tintas facilita o aparecimento de fungos, sob condições favoráveis. São visíveis quando formam manchas esbranquiçadas ou escuras na superfície da tela. Quando isso ocorre, geralmente já estavam presentes no verso das mesmas, desde antes da pintura.

Ao adquirir uma tela, devemos observar com atenção o fundo, evitando as que possuam manchas escuras – podem ser fungos. Uma vez compradas, devemos armazená-las em local ventilado e iluminado com luz indireta. Armários fechados não são locais ideais para estocar telas.

Como combater o mofo?

Inicialmente devemos limpar as áreas afetadas com um pincel ou paninho bem macio umedecido com água, removendo as partículas maiores. Tomemos o cuidado de não esfregar muito, para não danificar a obra. Nessa fase, ou na aplicação de produtos, é conveniente usar pano branco, já que fica mais fácil examinar o que estamos removendo. Se ficar colorido, pare – algo deu errado.

Fungicidas comerciais

Há vários fungicidas comerciais que podem ser encontrados em casas especializadas em materiais artísticos ou nas farmácias. Diluídos em água, segundo as instruções em suas bulas, podem ser aplicados nas regiões afetadas. Sabemos que nem todo artista tem facilidade de acesso a tais produtos, já que muitos moram no interior. Assim, veremos outros métodos alternativos.

Vinagre e sal

Esta é a receita mais clássica e provavelmente alguém já viu uma avó usando: vinagre, água e sal. As proporções podem variar de acordo com a pessoa que prepara. Normalmente uma xícara de água, duas colheres de sopa de vinagre branco e uma de sal formam uma boa solução. A aplicação pode ser feita com um borrifador ou diretamente com um paninho.

Chá de cravo da índia

Faça um chá bem forte de cravo da índia e aplique com um paninho macio sobre as áreas afetadas. Pode ser aplicado diretamente sobre a pintura ou no verso da tela, tomando o cuidado de não esfregar com muita força, afinal, não estará areando uma panela. Repita quantas vezes for necessário.

Esse método apresenta uma vantagem sobre os anteriores – o odor. Enquanto os dois primeiros deixam cheiro desagradável, esse deixa o cheirinho do cravo, que vai se dissipando com o tempo.
Os créditos dessa receita são da professora e artista plástica Rosinha Imthurm, que possui um canal no Youtube. Já utilizei algumas vezes e deu certo!

Tinta e sal para o verso da tela

Ainda segundo Rosinha Imthurm, devemos cuidar do verso da tela. A primeira etapa consiste limpar o fundo, friccionando algodão umedecido com água e uma gota de detergente, até que o algodão saia limpo. Depois, colocar tinta branca (acrílica, PVC ou látex) num pires e adicionar uma solução de água e sal, na proporção de dois para um (duas colheres de água e uma de sal). Com a tinta bem diluída, pintar o verso da tela com pincel macio. Segundo ela, a tinta e o sal – excelente conservante – combatem e previnem o aparecimento de fungos, dispensando o uso de fungicidas comerciais.

Restaurando telas

Como publicado na introdução desse artigo, a obra da minha esposa, contaminada por fungos, teve que passar por um processo de restauração. Adotamos o método do “Chá de cravo da índia” para a remoção dos fungos presentes na superfície da pintura a óleo. Ficou tão perfeita que a dona do quadro ficou admirada com o resultado e perguntou:

Pintou novamente?

A obra parecia nova e nenhum retoque foi necessário! O fundo da tela foi tratado com tinta e sal, conforme descrito anteriormente, para mitigar nova incidência de fungos.

Não podemos esquecer que embora os fungos possam ser eliminados, há alguns muito resistentes. O melhor remédio ainda é a prevenção.

SEMI-ABSTRATO – Óleo sobre tela, 50 x 70 cm (Rose Athayde).
Obra recuperada após infestação por fungos.

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bolor

https://pt.wikipedia.org/wiki/Fungi

Rosinha Imthurm – Canal no YouTube

Compartilhe com seus amigos

Categorias: Técnicas Artigos

Tags:

Sobre o autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.